quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Ainda sobre Vacinação, Parte IV

A bola da vez, de hoje, é a vacina contra a TOSSE DOS CANIS ou traqueobronquite infecciosa ou gripe canina.

A transmissão, dessa doença, se dá pelo ar, em lugares que abrigam grandes quantidades de cães - exposições cinófilas, abrigos para animais, pet-shops, hospitais veterinários, instalações de pesquisa, etc. Também podem ser transmitida por gaiolas, comedouros, bebedouros, funcionários com mãos contaminadas, etc.

Como meus cães frequentam exposições cinófilas, essa vacina é OBRIGATÓRIA no calendário deles. É refeita anualmente, porque um dos microorganismos que pode causar essa doença é de etiologia bacteriana. [1]

Entretanto, cães que não frequentam os ambientes acima descritos, não têm a menor necessidade de tomar esta vacina. Mesmo porque a vacina "múltipla" (V8 ou V10), oferece imunização contra o Adenovírus Canino e a Parainfluenza Canina, que são um dos agentes etiolóticos que podem causar a tosse dos canis.

SEMPRE sugiro a todas as pessoas, a NUNCA levar seus cães para tomarem banho em pet-shops. Você tem cão de pêlo longo, que necessita manejo complexo, banho demorado para desembaraçar os pêlos, tosar, escovar, fazer prancha, escova, baby-liss, etc.? Utilize home-service, SEMPRE.

Já utilizei dos serviços de pet-shop, até testemunhar que a pick up que buscava/trazia meus cães era imunda internamente, as caixas que transportavam meus cães eram igualmente sujas e utilizadas para transportar qualquer animal (gatos, cães... limpos ou sujos) e o carro não era provido de ar-condicionado. Ar condicionado, na carroceria de uma pick up, é item obrigatório para quem transporta cães, de qualquer raça, em um país tropical.
Nos pet-shops, as banheiras deveriam ser desinfetadas (muita água, muito sabão, muito cloro) entre o banho de um cão e outro, mas não creio que isso aconteça...
Os pet-shops não deveriam banhar cães doentes. Mas, isso também não é regra. Muitos cães vão tomar "banhos medicamentosos" - para tratar doenças de pele - na mesma banheira que um cão saudável.
Essa semana, flagrei um pet-shop "muito bacana" recebendo um cão bem velhinho e debilitado para banho, tossindo horrores, com bastante secreção nasal esverdeada. O seu cão poderia estar no mesmo pet-shop, na gaiola ao lado...

Ainda com relação a vacina, há 02 (dois) tipos de aplicação da mesma: intranasal (em gotinhas) e injeção subcutânea. A injeção torna o animal assintomático da doença, ele pode manter os agentes em suas vias respiratórias. A vacina intranasal permite a formação de anticorpos no trato respiratório que "eliminam" os microorganismos. Prefiro essa última, tenho bebês-frenchie em casa e nunca me dou ao luxo de correr riscos.

Se eu fosse apenas a proprietária de 1 ou 2 frenchies, ponderaria a questão de fazer essa vacina.
Provavelmente, escutaria de meu vet, "Por que não fazer?"
Mas, poderia respondê-lo, "Por que fazer?"
Ele poderia me dizer que os efeitos da vacinose ainda são questionáveis, mas, por outro lado, há comprovação que a over-vaccination inexiste?

.
[1] A experiência tem mostrado que algumas vacinas produzidas contra patógenos bacterianos, não são eficientes ou tão duradouras quanto aquelas contra doenças virais, como o sarampo e varíola. Têm sido produzidas algumas outras vacinas eficientes contra bactérias e contra vírus, mas vacinas úteis contra clamídias, fungos e protozoários ou parasitas helmínticos ainda não estão sendo utilizadas em seres humanos. Contudo, os pesquisadores têm trabalhado no desenvolvimento de vacinas contra várias doenças.
Marrack, P.; Kappler, J. W. Subversion of the immunity system by pathogens. Cell 76:323-332,1994