domingo, 22 de março de 2009

Cherry Eye em Frenchies

Cherry eye também é chamado de "prolapso da glândula da 3ª pálpebra" ou "olhinhos de cereja". É uma anormalidade que pode acontecer em qualquer cão, de raça ou não, e, sem dúvida alguma, é o problema oftalmológico que mais acomete os buldogues franceses.

O "cherry eye" ocorre por flacidez dos ligamentos que sustentam a glândula da 3ª pálpebra, principalmente, em filhotes. Vale lembrar que, em animais em crescimento, todos os ligamentos encontram-se mais flácidos, comparativamente, ao que estarão na vida adulta. Isso é primordial para que o crescimento ocorra.

Agentes irritantes como poeira e produtos de limpeza, uma inocente "coçadinha" no olho, um esforço físico maior ou uma brincadeira mais abrutalhada podem precipitar a saída da glândula.





REPOSICIONANDO - medida essencial!

Caso a glândula prolapse, "devolva-a" a seu lugar imediatamente: com seu dedo polegar eleve a pálpebra inferior envolvendo a glândula. Faça leve pressão para baixo até sentir o osso onde fica a órbita ocular. Mantenha assim por alguns segundos. Ao remover o dedo você observará que a bolinha desapareceu.

Se a glândula ficar muito tempo exposta ao ar, ela resseca e inflama (incha, fica vermelha).

Reposicione sempre que notar a saída da glândula, ainda pequena, antes que ela "inche" e fique irritada, não cabendo mais no seu espaço normal.

Caso a glândula esteja inflamada, talvez seja necessário o uso de um colírio anti-inflamatório, que o vet prescrever + o uso do colar elizabetano por alguns dias. O colar impede que o cão consiga coçar os olhinhos.

Uma vez edemaciada e irritada torna-se impossível mantê-la em seu leito, podendo ser necessária cirurgia.

Caso necessite de tratamento cirúrgico, procure um veterinário especialista em oftalmologia.

A indicação de nossos médicos veterinários para cães adultos é o sepultamento da glândula, ou seja, sua recolocação no lugar original. 

Para cães em crescimento e bebês, o tipo de cirurgia a ser escolhida é controverso. Há quem indique a exérese (remoção) completa da glândula, pois o risco de recidiva é muito alto, já que os tecidos estão em crescimento e a cirurgia pode se perder rapidamente. Por outro lado, a remoção da glândula pode predispor o cão à ceratoconjuntivite seca ou "olho seco".

É importante fazer uma avaliação individual de cada caso, pois anestesia não é vitamina que pode ser tomada todo dia, não é mesmo? 

Cherry eye é relativamente freqüente. Todo cinófilo deveria conhecê-lo. Em se tratando de cinófilos ligados à criação de frenchies afirmo que 100% deles sabem do que se trata.

A tomada precoce de cuidados pode evitar a cronicidade e a cirurgia, constituindo a forma mais fácil de contornar o problema.

Na minha experiência pessoal, até hoje, tive apenas 01 (um) caso de cherry eye em ambos os olhos. A maioria é unilateral.

O pronto atendimento do cão, que deverá ser feito pelo próprio dono, poderá determinar a evolução dessa lesão. Se agir a tempo e da maneira correta há maiores chances de que tudo não passe de um simples susto.

A simples adoção do procedimento acima descrito poderá livrar seu cão de uma cirurgia.


>> Texto adaptado de Cuidando da Saúde - Os Olhos, por Sirley Velho