domingo, 15 de março de 2009

Novo membro da família Chamone

Era uma vez uma vira-lata muito esperta e inteligente chamada VIVI, que um dia chegou à casa de meu pai e foi ficando albergada por lá. Comia, dormia, saía para passear na rua, voltava, etc.
Um dia, a Vivi voltou com um namorado, que também se abrigou e se alimentava na casa de meu pai. Ele foi chamado de GENRO.

Genro, não era rapaz de uma mulher só, e logo levou NORA para a casa de meu pai. Ela também foi aproveitando a comida, o cantinho para dormir à noite e todos faziam ronda em torno da casa. Não deixavam que nenhum estranho se aproximasse e tinham devoção absoluta a meu pai.

Nora engravidou do Genro e pariu uma ninhada enorme no quintal. Os filhotes foram doados, exceto HIENA, que recebeu este nome porque era, estranhamente, parecida com uma hiena mesmo.

O tempo passou.

Genro morreu atropelado por um caminhão.
Vivi, Nora e Hiena foram diagnosticadas leishmania positivo.
Como disse em postagem anterior, elas eram cadelas acostumadas a viver na rua, não ficavam presas nem no quintal - pulavam o muro para fugir, passavam entre as grades da casa -, o tratamento para leishmaniose não era indicado. A opção foi eutanasiá-las.
Muita tristeza.

Mas, agora, chegou um novo membro na família: RENATO.
Um vira-latinha puríssimo, adorável, dulcíssimo, que meu pai adotou!

Já decidimos pela sua castração na próxima semana, na 2ª feira compraremos a Scalibor, faremos o exame para leishmaniose e iniciaremos a vacinação. Esse não vai ser acostumado na rua.

Seja bem vindo RENATO!



Vovô Munir de pijamas e Renato