sábado, 19 de setembro de 2009

Marciano da Silva e a Drª Jean Dodds

Depois de quase um ano internado, um adolescente infectado pelo vírus da raiva vai deixar o hospital em Pernambuco. É o primeiro caso de cura da doença no Brasil e o 3º no mundo.

Marciano da Silva, de 16 anos, foi infectado pela raiva ao ser mordido por um morcego e ficou cerca de um ano internado em um hospital de Recife. Graças a um tratamento experimental, desenvolvido nos Estados Unidos, ele tornou-se o primeiro caso brasileiro de cura da doença, considerada letal.


Pouco tempo depois de sair de lá, o menino conseguiu voltar a falar. Com ajuda da fisioterapia, aos poucos recuperou o movimento dos braços. Hoje, a uma semana de ter alta, ele espera voltar a andar.



Drª Jean Dodds é uma veterinária e pesquisadora canadense, com muitos artigos publicados em periódicos científicos. Também é a fundadora presidente da Clínica HEMOPET, um banco de sangue para animais, sem fins lucrativos.

Marciano da Silva e a Drª Jean Dodds tem em comum a vivência com a doença raiva (hidrofobia) em suas vidas, obviamente de maneiras diferentes, pois a citada drª estuda a imunologia da doença em suas pesquisas.

Aliás, a Drª Jean Dodds tem contribuído muito para que sejam quebrados antigos paradigmas sobre a vacinação de pets e novos protocolos vacinais sejam aderidos.
É justamente sobre isso que vou falar em minhas futuras postagens: Os protocolos vacinais sugeridos pela Drª Jean Dodds.

Nós, aqui, já seguimos este protocolo há bastante tempo.

Apenas para adiantar o que vem por aí, uma breve citação:


"...Eu gostaria de conscientizá-los que todas as 27 (vinte e sete) escolas de veterinária na América do Norte estão em processo de mudança de seus protocolos para vacinar cães e gatos. Algumas dessas informações serão um desafio ético e econômico para os veterinários, e haverá os céticos. Algumas multinacionais firmaram um compromisso político, sugerindo a vacinação a cada 3 anos temendo a perda de renda versus alguns políticos preocupados com potenciais efeitos colaterais. Entretanto, a política, os hábitos ou o bem-estar econômico dos médicos veterinários não deveriam ser fatores decisivos... "

CHANGING VACCINE PROTOCOLS