quinta-feira, 3 de setembro de 2009

O Blog Responde! O Buldogue Francês e a Solidão

Prezada Camilli,

Talvez você não se lembre de mim, mas há algum tempo entrei em contato, querendo comprar um buldogue francês.
Nós conversamos bastante e você me disse que "o buldogue francês não se adaptaria ao meu estilo de vida", porque eu e meu marido trabalhamos o dia inteiro.
Confesso que, naquela época, fiz muito mal juízo de você e, não demorou, adquiri a Francesca de outro criador.

Hoje, nossa querida Francesca está com quase 1 ano de idade e eu sei que ela não é tão feliz quanto poderia ser se estivesse com alguém que lhe desse mais atenção durante o dia. Em nossa casa, ela já destruiu muitos móveis, ainda nem conseguimos controlar as necessidades no lugar certo. Quando chegamos em casa, ela fica eufórica, não temos tranquilidade nem para comer.

Desculpe-me por este e-mail. Mas, me sinto culpada, sem saber o que fazer e a quem recorrer. Penso em adquirir uma irmãzinha para ela. O que você acha?

Obrigada,

Carolina Simões


--//--


Olá Carolina!

Em primeiro lugar, obrigada por autorizar a publicação desta troca de e-mails aqui no blog. A solidão dos frenchies não é um problema unicamente SEU.

Adquirir outro cão será duplicar os seus problemas. Frenchies precisam de treinamento constante e persistente. Se você não estiver em casa para ensinar as lições para os cães, quem as fará? Outra coisa: é comum brigas por disputa de liderança entre frenchies. Quem estará lá se o "caldo engrossar"?

A minha filosofia é primar sempre pelo BEM ESTAR DO CÃO, acima de qualquer interesse. No caso dos frenchies, a solidão é seu pior castigo. Portanto, se você não pode oferecer sua companhia à Francesca, por que fazê-la sofrer? Por que deixá-la sozinha, amargando a solidão durante o dia e a ansiedade de tê-los durante a noite? Não acha mais justo doá-la a alguma família que tenha recursos financeiros para cuidar dela decentemente e tempo suficiente para dar-lhe atenção?

No seu lugar, se EU não pudesse contratar alguém para ficar com ela durante o dia, EU faria a sua castração (para garantir que ela não seria explorada) e EU selecionaria criteriosamente famílias que estivessem dispostas a adotá-la, deixando bem claro todas as MUITAS despesas que um frenchie trás e, no caso dela, o trabalho de treiná-la.

Amar também é isso.
Pense bem.

Abraços,
Camilli