terça-feira, 3 de novembro de 2009

Continua a proibição para o tratamento da LVC

Reunião recente de especialistas e o Ministério da Saúde concluiu que o tratamento da leishmaniose visceral canina (LVC) representa risco para a saúde pública com quatro conseqüências previstas:

1) Contribuir para a disseminação de uma enfermidade que resulta na morte de, em média, 6,7% dos seres humanos acometidos no Brasil, podendo chegar a 17% (Silva et al., 2001); (Ministério da Saúde, 2009), índice que pode aumentar ainda mais em indivíduos imunodeprimidos;

2) Manter cães como reservatórios do parasito, o que representa risco para as populações humana e canina;


3) Desenvolver a resistência de parasitos às poucas medicações disponíveis para o tratamento da leishmaniose visceral humana;

4) Dificultar a implementação das medidas de saúde pública reforçando a resistência da população à eutanásia de animais que continuarão como fonte de infecção para o vetor.

A recomendação deste fórum é de que seja mantida a proibição do tratamento da Leishmaniose Visceral Canina pelos Ministérios da Saúde e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, conforme a Portaria Inter Ministerial nº 1.426/2008 que regulamenta o Decreto nº 51.838 (1963).

Informações em http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/ii_forum_tratamento_relatorio_final.pdf



INVISTAM NA PREVENÇÃO DA DOENÇA!