terça-feira, 29 de dezembro de 2009

O que está dentro da ração que seu cão come?

Há uma enorme expansão do varejo de produtos pets na América do Norte. Enquanto o consumo é baixo em muitas áreas, as empresas experientes aprenderam que há muito pouco que um dono amoroso nega ao seu animal de estimação. O resultado é uma explosão virtual de produtos, brinquedos e alimentos para animais. De fato, um dos itens mais rentáveis na prateleira da mercearia, do seu bairro, não é bife - é comida de cachorro.

Hoje, proprietários mais atentos estão mais exigente sobre o que eles alimentam seus animais de estimação, e os fabricantes foram rápidos a reagir com uma grande variedade de alimentos voltadas para este mercado. Palavras como "equilibrada", "completo" e "natural" nos rótulos, há alguns anos eram apenas "saboroso "- ou o velho jargão "Cães Amam Isso".


Mas, quanto nós realmente sabemos sobre o que estamos alimentando nossos cães? A linguagem utilizada nos rótulos é menos clara - e os motivos para isso pode ser mais sinistro do que você pensa. A maioria das empresas de alimentos de cães são grandes divisões do conglomerado gigante de alimentos - os conglomerados que produzem toneladas de subprodutos provenientes da fabricação de alimentos para seres humanos a cada dia. Usando esse material que seria lixo pode ser bom negócio, mas é bom para o seu animal de estimação?

Nos poucos últimos anos, artigos têm aparecido em silêncio ilustrando um aspecto perturbador destas medidas de redução de custos. Eles pintam um retrato de uma indústria bilionária que está disposta a ir a quase todos os lugares para aumentar seus lucros.

O fim terrível
É o pior momento da vida de um proprietário de um animal de companhia - o dia da viagem final de seu companheiro estimado. Você faz a difícil decisão de deixar que o seu veterinário tome as devidas providências,  confiante de que ele vai tratar a maneira de uma forma sensível. Na realidade, muitas clínicas veterinárias, agora, utilizam um serviço para recolhimento dos corpos dos animais eutanasiados, e que pode acontecer com estes animais de estimação a partir do momento que eles são apanhados é nada menos do que chocante.





"Cães e gatos eutanasiados em clínicas e abrigos são vendidos para fábricas de processamento, transformados em outros materiais e vendidos à indústria de ração animal. Uma pequena fábrica de processamento, em Quebec, rende 10 toneladas, a partir de cães e gatos da cidade de Ontário (Canadá), por semana. O Ministério da Agricultura, em Quebec, onde um número destas fábricas estão localizadas, aconselhou que "O pêlo dos cães e gatos não seja retirado" e que "os animais mortos sejam cozidos juntamente com as vísceras, ossos e gordura em 115 graus C (236 F) por vinte minutos". Uma empresa de alimentos pet, dos Estados Unidos, com pesquisas extensas nessa área, que usa cães e gatos eutanasiados em seus alimentos durante anos alegou "não ter conhecimento sobre este fato", quando a notícia veio à tona, segundo Ann Martin, da Revista "Natural Pet".

Por mais difícil que possa ser para acreditar, milhões destes cães e gatos americanos mortos são processados a cada ano para as fábricas na América do Norte. Eileen Layne, da California Veterinary Medical Association afirma: "Quando você ler os rótulos dos alimentos para animais de estimação e ele diz que há farinhas de carne e farinha de osso, iso é exatamente o que é - animais cozidos e processados, incluindo cães e gatos."

Alimentos estragados, rejeitos do matadouro, animais que morrem a caminho de frigoríficos - todos esses são os ingredientes aceitáveis para as fábricas de ração, ou seja, a regra dos "4" -  doentes, deficientes, mortos e moribundos. Esteróides, hormônios de crescimento e produtos químicos utilizados no tratamento de infestações de bovinos - incluindo contaminados com inseticidas - mais uma vez acabam misturados ao produto final. A carne de mercearias, expiradas sua data de vencimento, também é adicionada à mistura, assim como as bandejas de isopor e plástico onde foram embaladas.

Cocktail químico

A adição de animais abatidos excede, moralmente, o repugnante - além de apresentar uma série de produtos químicos não listados nos rótulos dos alimentos para animais. Nas fábricas de processamento não há tempo nem para remover os sacos de plástico onde os animais vieram embalados, os colares repelentes de carrapatos e pulga, nem se fala! Mesmo os produtos farmacêuticos, muito usados para eutanasiar estes animais de estimação também encontram-se no produto final.

"Amostras de pentobarbital sódico", a Universidade de Minnesota em trabalhos de pesquisa, afirmou que "o pentobarbital sódico, o barbitúrico que é mais comumente utilizado para eutanasiar pequenos animais foi encontrado em amostras de carnes processadas sem sofrer degradação." Quando ingerido, o pentobarbital sódico tem demonstrado causar danos no fígado, nos rins e provocar insuficiência renal. As empresas de alimentos para animais alegam que esses produtos químicos são encontrados em doses tão baixas chegando a ser inofensivo, mas não fazem qualquer menção sobre os efeitos cumulativos da ingesta de anos consecutivos.

Antes da carne chegar às instalações de processamento, já foi saturada com produtos químicos. Para cumprir com as regulamentações do governo, todas as carnes rejeitadas por matadouros devem ser "desnaturadas" - um processo destinado a torná-la intragável para os seres humanos, garantindo assim que não podem ser utilizadas no comércio para ingesta de humanos.

No Canadá, o produto químico usado para alterar o paladar é o Birkolene b. Na revista "Natural Pet", Ann Martin, escreve "De acordo com o Ministério da Agricultura, de Saúde Animal e Vegetal, a composição deste produto químico não pode ser divulgado". Nos EUA, há uma variedade de outros métodos que podem ser usados:

"No meu tempo como inspetor de carnes, essa era desnaturada com ácido carbólico (fenol, um desinfetante potencialmente corrosivo) e/ou creosoto (usado para preservar a madeira ou como um desinfetante). Fenol é derivado da destilação do alcatrão, creosoto é da destilação de madeira. Ambas substâncias são muito tóxicas. Creosote foi usado por muitos anos como um preservativo para postes de madeira. Seus efeitos sobre o meio ambiente mostraram-se tão negativos que não são mais usado para esse fim. De acordo com o serviço federal de  inspecção sanitária, óleo combustível, querosene, ácido carbólico bruta e citronela (um repelente de insetos feitos de capim-limão) são os materiais de desnaturação aprovados."
Dr Wendell Belfield, DVM, o ex-USDA Vet, "Let's Live" Magazine

O coquetel químico não termina aí, também. Para evitar ranço, um estabilizador de gordura é adicionado ao produto acabado. Dr. Belfield escreve: "Os produtos químicos comuns utilizados são BHA (butil hidroxianisol) e BHT (butil-hydroxytolulene), ambos conhecidos por causar disfunção hepática e renal. Alguns países europeus proíbem a utilização e importação desses preservativos. Outro estabilizador de gordura é usada frequentemente Etoxiquina , suspeito de ser um agente causadores de câncer.
A maioria dos veterinários concorda que as alergias alimentares e condições tóxicas estão em ascensão nos animais de estimação da atualidade.  Quando questionados, a culpa muitas, dessas causas possíveis, recai sobre "poluição ambiental" e "o estresse de viver nas cidades". É um fato lamentável que muitas escolas norte-americanas de veterinária e nutrição animal não se atentem a isso.  Em uma palestra para a Nova Zelândia Faculdade de Medicina Veterinária, Tom Lonsdale, DVM, disse: "O problema está indefinido e não é reconhecido pelos veterinários. Veterinários são legitimados como guardiões do bem público no que diz respeito à saúde animal. A profissão está mal em suas funções." Não é de se admirar que muitos veterinários,  tão dolorosamente permanecem inconsciente das toxinas que nossos animais ingerem todos os dias, e não de seu ambiente, mas da comida que é comprada das lojas.

Fonte: Bullmarket Frogs

Leia:  O que está dentro da ração que seu cão come? Parte II