quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Sarna Demodécica

Quando postei o primeiro texto sobre sarna demodécica, o artigo foi linkado e copiado em vários sites e blogs. Estranho é que parecia ser o "Ovo de Colombo", por mais triviais que fossem as informações.
Até hoje, embora não seja veterinária, recebo muitas ligações e e-mails de pessoas, de todo o Brasil, pedindo gentilmente esclarecimentos sobre o tema mais polêmico da dermatologia veterinária. Por esta razão, eis o assunto novamente!


* * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * *



Enquanto vivem dentro do útero, os cães estão virtualmente livres da "contaminação" do ambiente externo.




Essa "contaminação" não é maléfica... explico melhor:


Depois que nascem, durante o contato íntimo com a mãe - parto, amamentação, lambidas, aconchego - os filhotes entram em contato com a microbiota que faz parte da pele e das mucosas da mãe e passam a agregar os mesmos micro-organismos. Isso é perfeitamente normal!


Quais são os microrganimos que NORMALMENTE fazem parte da microbiota dos cães?
Muitas bactérias (lactobacilos, streptococcus, stafilococcus, etc.), muitos fungos (candida sp., malassezia sp., etc.), protozoários (giardia sp.) e um ácaro, chamado demodex sp.



Visualização do demodex sp.


Sim! O demodex sp. está localizado na pele, mais especificadamente nos folículos pilosos, de todossssssss os cães vivos residentes na superfície do planeta Terra, sem exceções. TODOS, entenderam?


É importante entender que possuir o demodex na pele não significa ser portador da doença sarna demodécica. Aliás, todos nós possuímos o fungo candida sp. na boca, mas nem por isso desenvolvemos a doença candidíase (a não ser em situações de diminuição de imunidade). Deu para entender a analogia?

Portanto, o primeiro mito a ser eliminado: "apenas as cadelas transmitem a doença".
O demodex é adquirido através do contato íntimo com a mãe. Mas, atenção, o ácaro demodex, e não a doença! Como visto, além do demodex, muitos outros micro-organismos são adquiridos pelos filhotes durante o contato com o mundo externo. E isso é perfeitamente normal.

A sarna demodécica ocorre pela proliferação OPORTUNISTA do demodex sp.
Na ocorrência de flutuações da imunidade do cão - que, obviamente, este ácaro "detecta" -, ele começa a reproduzir enlouquecidamente e a produzir lesões na pele.
Muitas vezes, essas lesões sofrem infecções secundárias por fungos e/ou bactérias e isso torna o diagnóstico um pouco mais complexo, para alguns veterinários.

O que pode fazer a imunidade do cão flutuar e favorecer a proliferação do ácaro?
  • idade: cães com menos de 1 ano e cães idosos tem imunidade flutuante
  • vacinação (entenda porque clicando aqui)
  • alergias
  • verminose
  • stress emocional (solidão, mudança de ambiente, abandono, internação hospitalar, a chegada de um novo cão ao lar, etc.)
  • doenças crônicas (câncer, diabetes, leishmaniose - é muito comum cães com leishmaniose terem sarna demodécica)


Embora muitos vets afirmem que a sarna demodécica seja uma doença genética, a etiologia da doença ainda não foi esclarecida. 

Flutuações de imunidade são muito comuns em todas as raças, acompanhadas ou não da proliferação do demodex. Não há razão para o desespero que se faz em torno dessa doença, porque ela é 100% tratável para a maioria dos cães.


A preocupação com a imunidade do filhote é mais pertinente que o excesso de preocupação com a sarna demodécica de manifestação precoce!

Investir na imunidade do filhote com vermifugações controladas, uso racional de vacinas, não utilização de corticoides, alimentação de alta qualidade - ração não! - e minimização de situações estressantes é um caminho a ser seguido!



Leia mais sobre este assunto nestas postagens: