quinta-feira, 11 de março de 2010

Uma aula de Genética

A Monsanto criou a soja transgênica Roundup Ready que possui uma característica ímpar: ela é resistente aos herbicidas à base de glifosato. Isso é muito interessante, pois muitas plantas "daninhas" crescem junto ao pé de soja, competindo pelos nutrientes do solo com o desenvolvimento deste. Desta maneira, a aspersão, na lavoura,  do herbicida a base de glifosato elimina apenas as plantas "daninhas". (não vamos nos ater aos malefícios dos alimentos transgênicos, nesse momento...)

Os agricultores conhecem bem o problema provocado pelos herbicidas e inseticidas.
Começam utilizando um tipo para eliminar uma determinada praga, depois de um certo tempo, o produto usado não funciona mais e outro, de uma geração mais nova, deve ser utilizado e é um sem fim neste processo.

Na medicina, um processo similar acontece.
Quando a penicilina foi descoberta, uma septicemia altamente fatal curava-se com esse medicamento! Experimente utilizar penicilina pura na mais simples infecção bacteriana hoje... fará cócegas nas bactérias?

Isso acontece por um processo chamado Pressão Seletiva.
A pressão seletiva representa um conjunto de características do ambiente (clima, exposição à drogas, alimentação, etc) que filtra determinados genes "direcionando" a evolução de determinadas características para a adaptação a este ambiente. A pressão seletiva é o fator ambiental do mecanismo da seleção natural.

Observe a pressão seletiva ocorrendo no esquema abaixo:


 


Bem, estou falando sobre a adaptação dos indivíduos e a pressão seletiva por uma razão muito específica.

Penicilina provocou resistência bacteriana e os antibióticos tem que sempre sofrer um update e serem mais potentes, para fazerem efeito satisfatório.
O mesmo se aplica a inseticidas e herbicidas nas plantações. Ervas "daninhas" e insetos sempre dão um jeito de driblar os mais poderosos inseticidas e obrigam as indústrias a produzir aquele produto de "última geração" que promete ser o must...

Mas, as minhas ponderações são as seguintes:

1 - Por que será que ninguém comenta que pulgas e carrapatos são seres altamente adaptativos, pois se reproduzem em gerações curtíssimas e que, por isso, os inseticidas repelentes não deveriam ser utilizados tão indiscriminadamente???
Exemplos de inseticidas: fipronil, imidacloprida, ivermectina, permetrina, clorpirifós, diclorvós, etc.

2 - Por que será que a prescrição destas substâncias, por parte dos veterinários, é totalmente indiscriminada?
Deveria haver um controle! Não duvido que estes medicamentos estejam com efeito bastante reduzido nos dias de hoje...

3 - Outra coisa: todos esses medicamentos são veneno! Deveriam ser usados em situações específicas e não na rotina dos cães.Ninguém questiona isso quando usa em seus cães? Os próprios fabricantes pedem cautela na manipulação do produto!


Portanto, fica a aula de Genética, sobre o assunto "Adaptação e Pressão Seletiva", aplicável aos carrapaticidas e venenos contra pulgas em cães. 

Pensem nisso!
:)