segunda-feira, 19 de julho de 2010

Prevenção de leishmaniose canina

Quem mora no norte, nordeste e centro-oeste do Brasil, Minas Gerais (estado inteiro), muitas regiões do estado de SP, RJ e ES deve estar super atento à prevenção da leishmaniose canina. Não disponho de dados epidemiológicos da leishmaniose da região sul, mas já houve relatos da doença do RS.






A leishmaniose canina é uma doença tratável, mas que não possui cura. Portanto, se o cão for mordido pelo mosquito infectado, o proprietário terá 02 (duas opções): eutanásia ou tratamento por toda a vida do cão. É inadmissível que o cão diagnosticado com a doença permaneça vivo sem tratamento, uma vez que este cão funciona como "depósito vivo" para os mosquitos se infectarem e transmitirem a doença.




Portanto, acreditem, quando se fala em leishmaniose, prevenir é mais barato e muito menos desgastante do que remediar.

Eu utilizo na prevenção:

1) Vacina Leishmune
Ela está a mais tempo no mercado e possui mais publicações científicas que a outra vacina contra leishmaniose, portanto é a que me convence.
Adoraria receber um "incentivo" da Fortdodge por estar falando isso, mas, não, a minha propaganda é gratuita mesmo. Pago R$ 80,00 por dose.


2) Coleira Scalibor
Aqui em BH custa, aproximadamente, R$ 45,00. Dura 6 meses. Leia este post sobre a utilização correta da coleira.
Para quem tem muitos cães, há um ótimo truque! Sempre compre a coleira de 65 cm (é do mesmo preço da menor) e emende os pedaços que sobrarem do corte das coleiras. Você terá metros e metros aproveitáveis de Scalibor.


3) Cipermetrina
Tome o cuidado de utilizar no dorso do cão e não no lombo.
Esses dias, doei um pouco de cipermetrina para uma pessoa e a desavisada passou no lombo do cão, que lambeu o produto e foi parar no pronto socorro, intoxicado.


Cipermetrina é um produto barato. Um vidro custa, no máximo, R$ 15,00 e dura muitos meses. Aprenda a usá-la lendo aqui.
Este produto também é indicado como repelente, do mosquito da leishmaniose, quando utilizado na dedetização das casas.



4) Repelente elétrico nas tomadas ("protector")
Tenho em todas as tomadas, exceto no banheiro. Nos protege da dengue e da leishmaniose.
Uso o SBP porque o veículo dele é água e, portanto, menos tóxico. Por incrível que pareça, dura mais que 45 dias e noites.
Hello, SBP, propaganda gratuita. Adoraria um patrocínio!



5) Ventilador
Uso 24 horas por dia-7 dias por semana quando tenho filhotes antes dos 3 meses de idade, que ainda não podem usar Scalibor ou cipermetrina.
Os ventiladores devem ficar voltados para cima.



Se me perguntarem, se fico à vontade, utilizando todos esses medicamentos inseticidas, a minha resposta, óbvia, será NÃO. Entretanto, cabe a mim escolher correr o risco de ter um cão com leishmaniose ou cercar-me dos recursos disponíveis para prevenir a doença, e eu fico com a segunda opção.

Sei que a doença é tratável, mas o desgaste emocional e financeiro é muito grande e não quero passar por isso.

As pessoas costumam reclamar muito que o governo não faz isso ou aquilo, concordo. O nosso governo é muito omisso quando o assunto é saúde, em geral. Mas, se cada um fizer a sua parte, pelo menos quando o asunto é leishmaniose, tenho certeza que as coisas podem melhorar.