sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Anatomia, função e raças caninas

Esse é um assunto que me fascina na cinofilia.
Não há como negar que o homem tentou esculpir as raças caninas para que pudessem desempenhar com sucesso algumas funções. 






Acredita-se que o corte tradicional de pêlos em forma de bracelete nas pernas era usado antigamente nas caçadas na neve, onde a maioria do pêlo era tosado baixo para facilitar a natação do cão, mas as juntas, pulmões, coração e rins eram mantidas com pêlo alto para protegê-los do frio. O pompom no fim do rabo servia como uma "bandeira" para ser avistado pelos donos enquanto o Poodle mergulhava no fundo da água. (Fonte: Wikipedia)
Legal, né?




Galgo inglês ou Greyhound é um cão antiquíssimo. Os criadores ingleses nele "construíram" ao longo dos séculos um fabuloso cão de caça e de corrida. A sua qualidade principal é a velocidade. Foi muito utilizado na caça ao cervo, ao gamo e ao javali. Uma combinação de longas pernas fortes, peito profundo e espinha flexível permite que ele consiga velocidades de aproximadamente 70 quilômetros por hora. (Fonte: Wikipedia)


Pela própria anatomia do cão, podemos, por exemplo, inferir raças seriam boas e quais seriam péssimas nadadores:

Basset Hound
Remos (braços e pernas) muito curtos e corpo pesado. Melhor ficar na terra mesmo....



Retriever do labrador
Corpo proporcional, remos longos (membros), leme na altura do corpo (cauda) e focinho longo para ajudar a oxigenação dos tecidos. É quase um peixe!


Bulldog francês
Corpo quadrado e pesado, sem leme (cauda), focinho curto que dificulta a respiração. Querido, águas profundas não foram feitas para você! Molhe apenas as patinhas ao som do Tio Neil Crevice.



E por falar em nadar, observe a impulsão desse welsh corgi quando salta:



Água? Só com colete, como fizeram seus proprietários!