sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Cães de raça não são luxo

Há alguns dias eu li o brilhante comentário que a Ana Corina fez no blog da Bianca, sobre a raça yorkshire - O Grande Pequeno Cão.

O que ela escreveu vai render outras postagens, mas hoje gostaria de me prender a  essa parte do seu discurso:

Uma vez eu estava postando sobre cães-guia e conheci uma ONG norte-americana que doa golden retrievers treinados para ajudar pessoas com deficiências, são animais que precisam ter um estudo selecionado para nascer, já começam a ser educados com dias de vida e depois desempenham a nobre função de ajudar pessoas por toda vida. E lá aprendi que simplesmente não é possível fazer um trabalho desse tipo com qualquer cão, que há muita grana e dinheiro envolvidos até eles ficarem bons o suficiente pra serem doados pra uma família onde abrirão portas, telefonarão pra polícia, lamberão seus tutores os lembrando de tomar medicamentos, etc. E mesmo nestes filhotes MEGA selecionados, alguns ainda são rejeitados do treinamento na juventude porque demonstraram comportamentos que não podem acontecer em um cão de trabalho. Então são doados e, nisso, muito tempo e dinheiro foi investido e uma pessoa que precisava muito precisará esperar mais ainda pelo seu amigo de patas que tanta diferença fará em sua vida.




Por mais egoísta que possa parecer, as raças caninas foram criadas para servir o homem. Exatamente por isso, cada raça apresenta peculiaridades estruturais específicas e temperamento específico, para que possa desempenhar sua função adequadamente.

Observem o instinto natural do border collie para ordenar o rebanho de ovelhas. No sul da Brasil essa raça canina é utilizada com gado.




Observem o comportamento dos pastores (belga ou molinois) trabalhando com a polícia. Qualquer cão (de raça ou  não) poderia desempenhar essa funções? Muito dificilmente.




Sou realmente fascinada por estes detalhes da previsibilidade das raças caninas, com relação a estrutura e temperamento.
Obviamente, essa não é uma preocupação das fábricas de filhotes, nem dos criadores de fundo de quintal.
Se você quer um cão com características específicas de estrutura e temperamento, procure diretamente um criador idôneo.
Se não possui essas exigências, adote!