segunda-feira, 23 de agosto de 2010

O que está dentro da ração que seu cão come? Parte II

A linguagem dos rótulos 
Aprender a decifrar rótulos é um bom começo para aqueles que querem descobrir o que estamos oferencendo aos nossos pets. Qualquer alimento para pets que contenha "Farinha de carne", "Farinha de Ossos" ou "subprodutos de carne" podem ter sido obtidos de fontes suspeitas. O termo genérico "Carne" permite que as empresas de alimentos para pets possam usar qualquer fonte animal como ingrediente, ao contrário de termos mais específicos, que indicam claramente a origem dos animais - ou seja, "frango", "produto de carne bovina".  Mesmo os alimentos que indicam a fonte de carne, podem cair na "regra dos 4" - isto é, carnes provenientes de animais doentes, deficientes, mortos ou moribundos, impróprios para o consumos humano.  As razões para a rejeição são muitas, podem incluir a infestação de pragas, doenças, tumores, mofo, infecção e uma série de outras condições altamente desagradáveis. Em estado selvagem, a maioria dos cães naturalmente evita comer carne contaminada, o que talvez explique a variedade estonteante de sabores e aromas aditivos comerciais a maioria que estes alimentos contém.


Os rótulos que, supostamente, nos permitem entender o que contém o alimento que oferecemos aos nossos cães estão abertos a uma licença artística surpreendente, graças à  AAFCO. Um consumidor que compra  "Johnny's Cordeiro e Arroz alimento para cães" pode muito bem assumir que "Cordeiro e Arroz" são os principais ingredientes deste alimento - afinal, ele parece dizer isso claramente que no rótulo. Na realidade, a adição de "com", na marca, obriga o fabricante a incluir apenas 3% do total de ingredientes no alimento.  Se este alimento foi rotulado como "Johnny's Cordeiro e Arroz alimento para cães", AAFCO deveria exigir que cordeiro e arroz fossem maioria dos ingredientes totais (excluída a água utilizada para transformação) - uma diferença muito grande para essa pequena palavra.

A tendência para a o uso generalizado de "Cordeiro e Arroz" em muitos alimentos deve-se à preocupação dos veterinários dermatologistas.  "Não era para ser comido por todos os cães", afirma Dr. Maxwell, DVM. "Era para ser introduzido como uma alternativa de proteína, mas se os cães estão comendo todos os dias agora é inútil para nós, para utilização como alimento alternativo. Donos de pets alérgicos terão que ir às proteínas exóticas combinadas com carboidratos, como avestruzes ou de pato e batata. É caro e desnecessário. Deixar o cordeiro e arroz para os casos de pets alérgicos".  Criadores mais antigos comentam que o número de casos de alergias alimentares que vêem hoje são enormes - condição praticamente inexistente na época em que os cães comiam alimentação humana.


Busca de alternativas
 Então, o que o proprietário do animal de estimação deve fazer? O livro "Dr Pitcairn's Guide to Natural Pet Care" oferece uma variedade de receitas caseiras para animais de estimação manterem-se saudáveis.  Alinha ingredientes frescos, carnes cruas e suplementação equilibrada.  Dr. Pitcairn aborda as necessidades nutricionais desde cães a gatos, pets prenhez e dieta vegetariana.  Ainda mais convenientemente, tanto Essex Cottage Farms quanto Sojourner's Farms oferecem nutrição natural que incluem grãos, vitaminas e minerais de origem natural - tudo o necessário para criar equilibrado na dieta caseira. A mistura só precisa de ser combinada com a carne fresca, um ou dois legumes, um pouco de óleo, ovo e um pouco de água quente para se tornar plenamente nutritiva e todos os alimentos naturais. Você tem a opção de oferecer cru ou cozido, como preferir.




Com os recentes surtos de contaminação por E. Coli relatados na mídia, bem como artigos descrevendo crescente preocupação com excesso de produtos químicos e alimentos geneticamentos modificados, um segmento crescente da população está se voltando para as fontes de alimentos orgânicos, tanto para si mesmos, quanto para seus animais de estimação. A alimentação caseira permite alimentar seu cão desta maneira.  Você pode optar por incluir apenas alimentos orgânicos, livres de pesticidas e carnes free-range (animais criados/engordados no pasto).  Essas escolhas tem repercussões fascinantes para criadores de cães, em particular. Estudos feitos pela na Alemanha analisaram os benefícios dos alimentos orgânicos em relação aos outros cultivos. Os animais alimentados com alimentos orgânicos tinham maior fertilidade, nascimentos com menor taxa de mortalidade e ninhadas maiores que aqueles alimentados com alimentos não-orgânicos.

Para aqueles que não têm tempo para cozinhar em casa ou simplesmente preferem uma comida preparada comercialmente, a resposta pode estar no crescente número de "empresas holística" de alimentos para animais que estão surgindo. Muitos destes fabricantes são inflexíveis sobre o seu compromisso de utilizar somente "alimentos para consumo humano" - ou seja, fontes de alimentos que tenham sido certificados como seguros o suficiente para serem consumidos pelos humanos. A empresa de alimentos "Innova" foi fundada pelo Dr. Belfield, DVM, após anos de experiência como veterinário do USDA, foram anos de bons motivos para se preocupar com o que os animais comiam.  Outras empresas "holística" que comprometem-se de maneira similar incluem Solid Gold, Wysong, Wellness.  Enquanto, talvez, esse alimentos para pets possuem um preço maior que os outros do supermercado, os baratos oferecem fontes nutricionais inúteis.

Como proprietários do animal de estimação, cabe a nós saber exatamente o que é que estamos alimentando nossos animais de estimação, e decidir o que pode e não se pode aceitar como ingredientes. Faça perguntas - a maioria dos fabricantes mantém o telefone do Serviço de Atendimento ao Cliente no saco de ração, ligue!  Pergunte a eles o que eles colocam nos alimentos - e, se você não gostar da resposta, diga-lhes isso. Insista em rações feitas com ingredientes de qualidade, vendidas em pacotes que estão claramente identificados, e diga-lhes que só compram de empresas dispostas a oferecer isso. Muitos criadores são procurados para fazer propaganda de ração, porque encaminham filhotes e já fazem propaganda do produto. Portanto, se você é criador, não deixe de informar este fato à empresa!  Juntos, nós que possuímos animais de estimação, formamos um músculo mais forte e  poderemos ser capazes de garantir que nenhum outro nosso amado pet, terá seu fim dentro de um saco de ração.

Fonte: Traduzido de Bullmarket Frogs



>>> Leia também: O QUE ESTÁ DENTRO DA RAÇÃO QUE SEU PET COME? PARTE I