sábado, 13 de novembro de 2010

O bom samaritano

Certa vez, no meio cinófilo, um criador de cães da raça X, contou o seguinte caso:

Uma pessoa foi lhe procurar, com uma cadela fora dos padrões da raça - que na opinião dele, nem deveria ser acasalada. Entretanto, o proprietário da cadela estava decidido a acasalá-la e, se não fosse com o cão deste criador, seria com o cão de outra pessoa, de qualquer maneira.
Como os cães deste criador eram muito bons, repletos de títulos, bastante dentro do padrão, ele pensou o seguinte: "melhor acasalar com os meus, que acasalar com outro que seja  'pior' ainda que ela... vou tentar salvar a raça da maneira que posso."
Desta maneira, consentiu com o acasalamento.

Sabe o que eu achei da atitude do samaritano? Equivocadíssima!
Sabe quando eu consentiria com isso? Nunca!
Sabe quando o meu nome estaria envolvido com um criador de fundo de quintal? Nunca!

Se esta pessoa quisesse acasalar a sua cadela, mesmo depois dos meus esforços em demovê-la a mudar de idéia, pelo menos, a minha consciência estaria tranquila - eu não teria contribuído para a degeneração da raça que crio, não estaria sendo mal exemplo para as pessoas que adquirem filhotes meus e não estaria contribuindo com o aumento da população canina de maneira descontrolada.


E você, o que faria se estivesse no lugar do bom samaritano?