segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Sarna demodécica, demodicose, sarna negra, sarna vermelha, sarna folicular e outros sinônimos

Já há algum tempo estou pensando em escrever sobre sarna demodécica  (novamente).
Confesso que não é um tema fácil de se escrever, porque este assunto é bastante controverso e, sem dúvida alguma, uma grande polêmica na dermatologia veterinária.


 Demodex canis


Mas, de qualquer maneira, vou relatar o que li (em literatura científica) e deixar o que, para mim, é a grande incógnita sobre a doença, sob o meu ponto de vista de geneticista e biologista molecular.

Já escrevi bastante sobre o assunto neste post e neste também. Mas, reforçarei alguns pontos importantes!


O Demodex canis é um ácaro residente normal da pele canina. 
Constatou-se que o contágio ocorre por contato direto da cadela saudável com os neonatos em aleitamento, durante os 3 primeiros dias de vida do filhote. O ácaro pode ser encontrado nos folículos pilosos de filhotinhos com apenas 16 horas de idade, principalmente na região do focinho, evidenciando o contágio por contato direto durante a amamentação. A transmissão in utero não ocorre e a transmissão do ácaro fora o período neo-natal é infrequente.

Pergunta por e-mail:
Para evitar que os filhotes adquiram o Demodex canis devo impedir que entrem em contato com a cadela e devo alimentá-los com leite artificial?
Não! O colostro, leite produzido nas primeiras 24 horas pós-parto, é riquíssimo em anticorpos que promoverão imunidade ao filhote nos primeiros 2 meses de vida, contra doenças importantes, como cinomose e parvovirose.

Quando ocorrem estados de imunodeficiência geral do animal, por motivos variados, e conseqüentemente uma falha nos mecanismos de defesa próprios da derme, a pele do cão torna-se ecologicamente favorável à reprodução e ao crescimento do Demodex canis. Os parasitas “agarram” essa oportunidade para colonizar os folículos pilosos, elevando sua população em milhares de ácaros.

Há autores que admitem que o "ataque dos ácaros" se instala quando o cão não está bem alimentado ou apresenta deficiências nutricionais. Outras doenças, principalmente a cinomose, predispõem aos cães a sarna demodécica. Banhos freqüentes com sabões alcalinos tornam a pele suscetível ao "ataque dos ácaros". Ainda de acordo com os autores, dentre os fatores considerados predisponentes - que afetam a imunidade - destacam-se o estresse, o cio, a endoparasitose e a doença debilitante.

O demodex sobrevive alimentando-se do conteúdo das células epiteliais e sebo do folículo piloso.
De acordo com pesquisadores, a presença de grandes quantidades de ácaros causa dano e afrouxamento das hastes dos pelos, terminando com a queda dos mesmos, desde o folículo, resultando em quadro de alopecia.  A patogenia decorre da presença de demodex nos folículos pilosos e glândulas sebáceas ocasionando sua dilatação, permitindo assim a invasão bacteriana. Doenças fúngicas também podem ocorrer como infecção secundária.


A proliferação exacerbada do Demodex canis, resultando em um quadro claro de problemas dermatológicos, é conhecida como sarna demodécica. Outros sinônimos para esta patologia são: demodicose, sarna negra, sarna vermelha e sarna folicular.


A sarna demodécica pode ser classificada de acordo com a sua distribuição corpórea (localizada ou generalizada)  e de acordo com a faixa etária à época das manifestações (juvenil ou adulta). Acredita-se que o curso, o prognóstico e, inclusive, as causas dos dois tipos são amplamente diferentes.

Para fazer o diagnóstico da doença é preciso realizar o exame de raspado da lesão. (leia-se: impossível fechar diagnóstico no "olhômetro")

O tratamento alopático consiste em tratar as infecções secundárias e eliminar a infestação do demodex através de terapia específica.





O Elo Perdido

Ninguém tem respostas prontas sobre a fisiopatologia desta doença, temos muitas hipóteses e, por isso, essa doença é tão controversa.
Eu também tenho muitas dúvidas e questionamentos que me incitam a querer saber mais sobre ela.



Questão que me intriga: [1]


O pesquisador Muller, em 1985, afirmou  que a demodicose generalizada é a manifestação de um defeito hereditário específico do sistema de células T, para Demodex canis, em que é permitido ao ácaro se multiplicar em grande número, e induzir uma substância humoral (complexo antígeno-anticorpo do ácaro?) que provoca generalizada supressão de células T (imunodeficiência celular-mediada).


Entretanto, algumas técnicas de pesquisa, recentemente, empregadas em linfócitos de cães com demodicose sugeriram que o fator imunossupressor, condicionante da demodicose, é uma imunoglobulina ou um complexo antígeno-anticorpo. Esses achados de pesquisa levam a concluir que a demodicose generalizada crônica faz-se acompanha por um estado de severa supressão de células T. Segundo a pesquisa, tal supressão desaparece com a erradicação dos ácaros, concluindo que a imunodeficiência observada nos animais doentes é secundária à enfermidade e não a causa da mesma.


Todos os artigos e livros que lemos, sobre sarna demodécica, sustentam que esta seja talvez uma doença com bases genéticas - e não estou afirmando o contrário -, entretanto, a evidência experimental que tínhamos e que relacionava a demodicose a algum suposto problema genético, está mais discutível que nunca.


Ademais, não é possível afirmar que uma doença é genética, sem demonstrar a manifestação da mesma em sucessivas gerações familiares ou demonstrar o(s) gene(s) responsáveis pela mesma. É preciso que isso seja comprovado através de ensaios clínicos que relacionem causa-efeito.


Questão que me intriga: [2]


A sarna demodécica é uma doença de ampla ocorrência na clínica veterinária, está presente nos quatro cantos do mundo, ocorre em cães de raça e multirraças (srd), não tem predileção por cor de pelagem.


Que aspectos genéticos poderiam ocorrer simultaneamente a tantos cães, que aparentemente, não tem nenhum parentesco?


Questão que me intriga: [3]

Sarna demodécica é uma doença comum na infância dos cães e seus sinais desaparecem quando o cão entra na idade adulta.

Este é o padrão oposto de muitas doenças genéticas!

As doenças de ordem hereditária ocorrem da seguinte maneira:
1) O indivíduo nasce com ela (síndrome de Down, por exemplo) OU
2) O indivíduo desenvolve a doença tardiamente (câncer de mama, doenças coronarianas, síndrome de Huntington, por exemplo).

Entretanto, uma vez instaladas, as doenças não regridem - não ocorre "desligamento" genético.

Com a sarna demodécica juvenil, o oposto ocorre. Ela manifesta-se na infância e desaparece tão logo o cão torna-se imunologicamente competente. Este não é um padrão de doença genética.

A infância é um período de flutuação de imunidade fisiológico. Além disso, as vacinas contra cinomose,  parvovirose, hepatite infecciosa, parainfluenza, coronavirose, leptospirose  (V8 ou V10, em 3 doses) e raiva são um verdadeiro nocaute no sistema imune. Há ainda quem precise fazer as 3 doses da vacina contra leishmaniose e quem faça as vacinas contra giárdia e tosse dos canis!
Já imaginaram que pancada no sistema imunológico, em apenas 7 meses de vida? Vacinas são necessárias, mas não são isentas de efeitos colaterais.


Cães que apresentam sarna demodécica na idade adulta, ou estão bastante idosos - já com imunidade comprometida - ou apresentam alguma doença de base, que deve ser pesquisada, neste caso a sarna demodécica é uma doença secundária.
De fato, cães com câncer, com leishmaniose, diabéticos ou que apresentem outras doenças crônicas, não raro apresentam sarna demodécica. Provavelmente, a imunossupressão provocada pela doença crônica favorece a proliferação do ácaro na pele.


As doenças genéticas, ou com componente genético envolvido, possuem um curso bastante previsível depois que se manifestam no indivíduo. 
A diabete pode ser controlada, mas não pode ser curada. O indivíduo deverá manter restrição dietética permanentemente e, muitas vezes, reposição de insulina.
A hipercolesteremia pode ser controlada através de dieta controlada e, talvez, medicamentos. Mas, uma vez que o indivíduo "perdeu o controle" sobre suas células gordurosas, o prejuízo não pode ser revertido.
A displasia coxo-femural em cães pode até ser assintomática, mas seu destino é ser progressivamente degenerativa.
A catarata juvenil, uma vez instalada, não tem cura. O cão perde a visão.

É uma incógnita, para mim, descreverem a sarna demodécica como doença genética apesar de ela não seguir nenhum padrão de doença genética em sua manifestação.


Que fique claro que não estou dizendo que sarna demodécica não é uma doença com bases genéticas, entretanto, esta doença não se encaixa aos padrões de doenças genéticas que conheço. E como ocorre como doença secundária (no caso de cães adultos), me parece que a genética não é um fator determinante.



Questão que me intriga: [4]



Este é o pug Bóris, com 5 meses de idade, à época do diagnóstico da sarna demodécica, já demonstrando perda de pelo (alopécia) na face (foto 1), infecções secundárias com presença de pústulas na face (fotos 2 e 4) e na virilha (foto 3).


Com 10 semanas de tratamento alopático, seu quadro clínico, ainda pior, era assim:


Palavras da proprietária, Carolina Agacci (humana de estimação da frenchie Bella também):

Tratamos com vitaminas, banhos, butox bem diluido, imunoestimuladores... ele apresentava alguma melhora, mas logo a doença voltava com  força duplicada. Isso porque não queríamos usar a ivermectina por ser tóxica. E também usamos tooooooodos os antibióticos do mundo, e ele fez resistência a todos eles.

Vou te dizer que a situação dele ficou bem pior do que qualquer foto que você possa ver nesses e-mails. A pele dele era pus puro, em carne viva, sangrando ao menor toque. Mas não tive coragem de tirar fotos dessa fase. Foi muito sofrimento.

Aí resolvemos apelar pra Ivermectina e antibióticos injetáveis. Foi o que deu jeito... Mas aí causou a insuficiência renal.

Este puguito não tem uma história de vida fácil. Foi doado para a Carol quando ainda não conseguia nem andar e mal tinha aberto os olhos - suspeito que não tinha nem 25 dias de vida. Mas, essa não é a pior parte da história: Bóris já havia passado pelas mãos de uma outra pessoa, que o comprou do "criador", mas achou "muito difícil" lidar com o filhote.

Desde então, o histórico de doenças deste cãozinho é enorme, incluindo aí questões comportamentais atípicas. Até os 10 meses de vida ele não havia passado um único dia sem precisar de medicação.

A internação por insuficiência renal foi outro grande susto, que, definitivamente, culminou com a decisão por  abandonar a alopatia e aderir ao tratamento homeopático para o Bóris.
Este é o resultado do tratamento homeopático:


Alguém já viu homeopatia (ou alopatia) liquidar com uma doença, supostamente, genética?



Certamente, este texto traz mais dúvidas que elucidações. Não é à toa que sarna demodécica é um assunto polêmico e controverso!

Recentemente, li que uma universidade argentina estava fazendo estudos sobre possíveis testes que comprovassem a questão imunológica da sarna demodécica. Entretanto, outro estudos já dizem que o demodex e outros ácaros presentes na poeira doméstica são parentes e compartilham antígenos semelhantes que induzem a produção de anticorpos com reatividade cruzada.

Obviamente, o não elucidamento das questões que desencadeiam a doença é mais uma razão que desencoraja a reprodução de cães afetados com este problema.

No caso de bulldogs franceses e ingleses, cães com tendências dermatopatas por natureza, a reprodução de animais com QUALQUER problema dermatológico sério é desencorajada.




Você tem alguma resposta para as minhas questões?
Gostaria de compartilhar ou palpitar? 
Por favor, deixe seu comentário no blog, será importante!




Para escrever este texto, baseei-me na seguinte literatura:

Demodicose Canina Generalizada: relato de caso. Juliana Bonfim, 2008. Monografia apresentada para a conclusão do Curso de Especialização.

Demodicose Canina Generalizada: relato de caso. Ana Paula Conte, 2008. Monografia apresentada para a conclusão do Curso de Especialização.

Prevalência das principais dermatopatias em cães procedentes da região metropolitana de Belém - PA. Renata Deise de Tavares Nonato, 2008.  Monografia apresentada para a conclusão do Curso de Especialização.

Demodicose em Cães: mitos e verdade. Samira Tsubouchi da Silva, 2007. Monografia apresentada para a conclusão do Curso de Especialização.

Prevalência pontual de Demodex canis e de demodicose em parcela da população canina, na cidade de Guarapuava - Paraná. Juliano Santos Gueretz, 2005.  Dissertação apresentada para conclusão do Curso de Mestrado.

Anticorpos anti-Demodex canis e Dermatophagoides pteronyssinus em soro de cães com demodicose. Maria Cecília de Oliveira, 2005. Dissertação apresentada para conclusão do Curso de Mestrado.

Tratamento e evolução da demodicose canina - relato de caso. Taiane Maria de Lima Rodrigues, Pedro Henrique Galvão Pacheco, Paulo Víctor Rodrigues de Azevedo Lima, Bárbara Nogueira da Silva, Manoela Passos Côrreia Santa Cruz, Maria Virgínia de Freitas Barbosa Lima, Michelle Suassuna de Azevedo Rêgo, Marília Aragão de Sousa Ferreira, Eduardo Ferreira Cole, Evilda Rodrigues de Lima.


Meu super obrigada à mãe humana do Bóris, Carolina Agacci, por permitir compartilhar a história dele aqui no blog! S2





>>> Para ler todas as postagens do blog sobre sarna demodécica, clique aqui
>>> É interessante citar que o pug Bóris, citado neste texto, teve melhora enorme do seu quadro depois que sua alimentação mudou da ração para alimentação natural.