domingo, 23 de janeiro de 2011

O Blog Responde! Frenchie antissocial com outros cães

Camilli,


minha frenchie é terrível com outros cães. Ela simplesmente não os suporta... será que é da raça ser assim?


Valentina


--//--


Não, Valentina!  Não é da raça.
Embora frenchies sejam naturalmente destemidos, não se deve esperar - e nem aceitar - atitudes agressivas gratuitas (mesmo um simples rosnadinho) seja na direção de outro cão, seja na direção de outra pessoa.

Curiosamente, essa é uma pergunta que está se tornando cada vez mais comum em minha caixa de e-mails e até consigo imaginar uma razão para isso estar acontecendo...

Com o boom dos frenchies e o crescimento do número de pessoas que reproduzem frenchies ("criadores", fabricantes de filhotes e criadores de fundo de quintal), os cães estão sendo separados muito precocemente de suas famílias caninas.

Muitas pessoas não sabem, mas permanecer até, no mínimo, os 3 meses de idade com sua família biológica é importantíssimo para o processo de socialização de um cão.
A família biológica - e não a humana - será responsável por apresentar o mundo e ensinar as regras de convivência dentro da matilha, que refletirão em muitos processos futuros, dentre eles, o aprendizado, a convivência com as pessoas e a convivência com outros cães.

Separado precocemente de sua família, indo para outra família - de outra espécie - o que poderá aprender sobre a sua própria espécie em um período tão importante de aquisição de conhecimentos em sua vida? (este período é chamado fase de socialização)

"A fase de socialização (entre 6 e 12 semanas de idade) é especialmente importante para o desenvolvimento de um temperamento estável e afetivo. Acredita-se que muitos déficits sociais e emocionais observados em cães adultos são resultantes da separação precoce  entre o filhote e sua mãe e irmãos" - Steven R. Lindsay

Para agravar ainda mais a situação, em sua nova família humana, um filhote separado precocemente de sua família biológica terá que passar obrigatoriamente por um longo período sem entrar em contato com outros cães - em virtude do período de vacinas -  e a fase de socialização estará ainda mais prejudicada.

Talvez, seja interessante fazer uma analogia com o ser humano: você se lembra da história de Mogli, o menino lobo? Não é uma incoerência uma criança humana ser educada por lobos? :)
Portanto, quanto mais tempo o filhote puder desfrutar do convívio com sua família biológica, em um ambiente saudável e estimulante, melhor para ele!


Felizmente, ainda pode-se trabalhar a socialização do cão em idade mais avançada (embora seja mais complexo).
Para casos em que o cão apresenta comportamento antissocial, recomendo veementemente a consultoria de um educador canino que trabalhe com técnicas de reforço positivo.

Posso indicar alguns!

Região sudeste:
Sara Favina e equipe
São Paulo - SP
http://www.tudodecao.com.br

Gustavo Campelo
São Paulo - SP
http://www.gustavocampelo.com.br

Região centro-oeste:
Luiza Dias
Brasília - DF
http://www.2patas4patas.com.br

Região sul:
Cintia de Oliveira e Morgana Zermianni
Blumenau e Vale do Itajaí - Santa Catarina
http://www.petiscoadestramento.com.br

Emmanuelle Moraes
Florianópolis - SC
http://www.educadoracanina.com.br

Franciele Lima Montagnani
Blumenau - SC
http://www.caoobediente.com.br






.