segunda-feira, 13 de junho de 2011

Tyson e Sol

Sol na fase baby e Barak


Quando publiquei o post Gente nossa na TV, com a super star Cecília Amodeo (mãe da Sol) e seu labrador Barak, recebi o seguinte comentário:

Olá Camilli,

Super fofo mesmo, texturas e pêlos - uma delícia visual!
Em paralelo seria super bacana saber um pouco da história do Tyson e os demais cães + Sol -- claro se corresponder a sua vontade de postar e com a devida permissão da Cecília. Mas confesso que me despertou a curiosidade do comportamento canino em virtude de suas condições.

Bjs, Elise


Realmente, a história do Tyson e da Sol é linda de viver.
Foi um enorme presente ser testemunha do amor dos dois.

Aproveitem a linda história de amor dos irmãos caninos Tyson e Sol, escrita pela mãe deles, querida Cecília:


Tyson é o nosso herói canino, ele nos apresentou um novo mundo canino, onde a superação e a alegria dominam.

Foi um filhote normal até fazer 1 ano quando as fortes convulsões começaram, consultei diversos veterinários, ouvi de tudo, de eutanásia até mantê-lo dopado... hoje tá estabilizado.

Mesmo ficando cego aprontava direto. Fazia coisas inacreditáveis, por exemplo: empurrava cadeiras pra perto da mesa da cozinha pra subir e comer tudo que estivesse por cima! Ainda tenta...
Se atirava na piscina pra nadar! Sim ensinei e ele aprendeu, no mar! Acredita??!! Aliás, os ensinamos vários comandos para que convivesse bem com sua cegueira.
Ate que o que era traquinagem depois de 2 internações onde foi desenganado, virou um estado de quase loucura, tomava ansiolíticos, etc. e nada. Não desligava! Nunca! Foram meses de stress, fiquei sem dormir semanas, meses! Cuidando dele e me perguntando: O que fazer?
Era doidinho, escolhia um pra “Cristo”, o perseguia, pulava, latia, uivava ate conseguir o que queria! Se precisasse prendê-lo, fazia escândalo!
Este comportamento ficava entre um estado convulsivo com um lance de comportamento de doido!
Ninguém dormia! Começamos a brigar, ate que minha mãe “falou:” Vamos castrá-lo!”
Como já tinha passado alguns meses sem crises, foi castrado, tipo última cartada!
E voltou da clinica ZEN! Calmo como nunca! Ufa!

Mesmo assim sempre foi um filho mimado, que fazia e faz o que está com vontade. Não sabia o que era dividir brinquedos, camas e atenção, era único!! Brigava até com a sombra, mesmo cego!!

Então ele passou de doido para bonachão, só queria saber de dormir. Ficamos com receio de que estivesse com alguma doença, fizemos exames e nada.  Ainda bem.

Achávamos que era a idade chegando e passamos a pensar na possibilidade de uma irmãzinha... Até que a Sol chegou e trouxe luz para todos, mas principalmente para o Sr. Tyson.

Nosso medo era de ele não aceitar, não entender e até não agüentar a novidade.

Mas nada disso aconteceu, li muito sobre aproximação de cães, de diferentes idades, portes,  etc. Pedi dicas para Camilli e as seguimos à risca. Deu certo!

Mas o que deixava aquela situação diferente é que ele é cego e filho único. Ele veio para nós com 45 dias de vida, portanto não aprendeu as regras de convivência (que são essenciais) e depois virou um briguento que só tinha uma amiga. Já a Sol veio com 3 meses e uns dias, já sabia as regras e rapidamente aprendeu que ele era diferente... Em tudo!! Foi então que a relação deles passou a ser construída, sem necessidade da nossa intervenção.

Ele a deixava comer sua ração e tomar sua água! Curioso é que ele sempre se negou a beber água de um pote alheio e não permitia que outro cão se deliciasse pote dele, tinha “nojinho”!
Passou a dormir perto dela, a procurava cheirando o “ar” e a encontrava. 
Passou a contar com sua presença... Mas não sabia brincar.

A Sol veio pronta, ou seja, sua educação, seu aprendizado na casa da Camilli foi essencial, ela fazia contato com ele, ela permitia ser cheirada, ela já sabia as regras de hierarquia e eles foram se entendendo. Mas a Sol notava que ele não atendia seus convites para brincar, até que passou a esfregar os brinquedos no nariz dele e ele passou a entender o que ela queria! Passou a “chamá-lo”, emite uns latidos somente para ele saber onde ela está!  E desde então o Sr. Tyson (7 anos) saiu do sedentarismo, da sonolência para as brincadeiras caninas!


video
 Sol e Tyson - Nov./2010

Então uma nova vida começou pra ele!!

Hoje eles se “audoram”. Vivem juntos e dormem juntos (quando a Sol fica quieta).

Brincam direto, aprontam juntos, ele “rouba” algo passa pra ela e ela foge. Assim eles vão levando... O Tyson toma medicamentos 2X por dia, ela vai junto e fica furiosa que não tem nada pra ela, então minha mãe a engana com um pedacinho de biscoito, ela fica bem feliz!

Um sente a falta do outro, um cuida do outro!! Não podemos chamar a atenção de um porque o outro fica bravo conosco... se os levo pra passear eles ficam juntinhos, lado a lado, um fofura só!

Enfim uma dupla mais que especial! 


 Sol em momento de enorme perplexidade, tomando "pito", porque não parava de usar o pobre Sr. Tyson como saco de pancadas!



Se você se emocionou, imagine eu?
:)