domingo, 17 de abril de 2016

Testes genéticos em cães

Testes genéticos são ferramentas utilizadas para diagnosticar a presença ou ausência de alguns genes. Sabendo que alguns genes deletérios estão presentes no genoma de um cão, podemos evitar a propagação deles com planejamento reprodutivo adequado.

Entretanto, testes genéticos não conferem certificado de saúde geral a nenhum cão.

Dizer que um cão está livre dos genes que produzem catarata juvenil hereditária, por exemplo, quer dizer apenas que ele não desenvolverá a forma hereditária dessa doença, entretanto não está livre de desenvolver outras formas de catarata ou qualquer outra doença oftalmológica. 

O mesmo raciocínio se aplica a outras doenças geneticamente testáveis.

Um aspecto importante - e pouco conhecido - é este: a eliminação de um gene deletério nem sempre é favorável à saúde. (veja a figura) Um exemplo conhecido é o do gene da anemia falciforme em humanos: pessoas portadoras desse gene (heterozigotas) são resistentes à malária; enquanto pessoas não portadoras do gene da anemia falciforme desenvolvem a doença.

Quando quiser adicionar a adorável companhia de um frenchie à sua família, certifique-se que o criador cercou-se dos cuidados necessários ao planejar uma ninhada.


"Genes do mal", mais importante que deletá-los é manejá-los!



Testes genéticos de interesse da raça buldogue francês:
  • Identidade genética;
  • Catarata hereditária;
  • Teste genético para diagnosticar mutações no gene FGF5 (pelo longo em frenchies);
  • Teste genético para diagnosticar blue gene;
  • Hipoteroidismo congênito;
  • Cistinúria;
  • Retinopatia multifocal.






Receba os posts por email:

Delivered by FeedBurner

siga-nos: