quarta-feira, 11 de maio de 2016

Giardíase crônica em cães

Em 2007, quando eu estava trazendo o Leo do Canadá, sua criadora do canil Belboulecan me advertiu que ele tinha um quadro de giardíase crônica, que ela  - mesmo sendo médica-veterinária - não conseguiu resolver.

E agora vem a parte interessante: ele nunca teve giardíase em minha casa!

Não, eu não sou mágica, nem faço milagres. O que havia de diferença entre minha casa e a casa da sua criadora era a alimentação. Enquanto ela alimentava seus cães com ração à base de grãos, todos os meus frenchies eram alimentados com alimentação natural com baixa quantidade de carboidratos, crua e com ossos.

Não há dúvidas que uma alimentação inapropriada altera o microbioma intestinal, predispondo os cães a desenvolver infecções. Afinal, sem a microflora protetora, os micro-organismos patogênicos se desenvolvem a passos largos. Já falamos sobre isso na postagem Excesso de Puns em Buldogues Franceses e é importante lembrar que quanto mais divergente da alimentação, com os quais os cães evoluíram, for a dieta, maiores e/ou mais frequentes serão os problemas de saúde.

No caso dos frenchies, é ainda mais imperativo manter uma dieta biologicamente apropriada porque a maioria deles tende a ter grande sensibilidade gastrointestinal. De maneira em geral, buldogues não toleram bem uma dieta rica em carboidratos.

Muitas pessoas não sabem, mas o micro-organismo que causa a giardíase é residente natural do intestino de mais de 80% dos cães. Isso significa que a maioria dos cães é portadora assintomática da giárdia. Entretanto, quando encontra brechas no sistema imunológico, o micro-organismo se prolifera e o quadro de giardíase é estabelecido. Portanto, nenhum cão "pega" giardíase - o cão adquire a giardia do ambiente, mas só desenvolve giardíase quando há condições intestinais que favoreçam o desenvolvimento dos seus micro-organismos causadores. 


A cara da coisinha fofa causadora da giardíase



Para manter a saúde intestinal, deve-se alimentar os micro-organismos do bem que ali residem. São eles que regulam e combatem o crescimento dos micro-organismos patogênicos. A única maneira de fazer isso é através de uma alimentação saudável - e ração industrializada, contendo grãos, BHT/BHA, conservantes, edulcorantes, espessantes e outros ingredientes que nem sabemos ser comestíveis, não ajudam nesse processo!

A vacina contra giárdia comprovadamente não é eficaz. Aplicá-la nos cães é, no mínimo, um atestado de deficiência acadêmica na prática da medicina veterinária.




Sugestão de leitura complementar:


Receba os posts por email:

Delivered by FeedBurner

siga-nos: