quarta-feira, 1 de junho de 2016

Cães adolescentes, como lidar?

(Texto de Fúlvia Andrade, comportamentalista animal)


Difícil resistir a um filhote, não é mesmo? O pelo macio, os olhos grandes e ternos que nos seduzem facilmente. E o bafinho dos filhotes então? Até isso é gostoso! Como resistir?

Trazer um filhote para casa pode ser uma das grandes alegrias da vida: vê-lo brincar, perseguir objetos. Nos imaginamos levando-o para passeios, dando brinquedos divertidos e mentalmente estimulantes, levamos a um veterinário, pesquisamos qual será seu melhor alimento e já contratamos um adestrador que trabalhe com reforço positivo. Tudo certinho.

Nos próximos meses tudo vai conforme o planejado: seu filhote aprende rápido, sabe qual o lugar onde fazer xixi e coco e vocês dois se divertem nas aulas de socialização.

Mas, logo que ele começa a perder os dentes de leite, as coisas começam a mudar. É como se tivessem virado uma chave na cabeça do seu cachorro e, em vez daquele filhote lindo, você tem um Godzilla na sua casa! O que aconteceu? O que fiz de errado?

Você não fez nada de errado... Bem vindo à adolescência canina. 

O filhote torna-se adolescente quando seus dentes caninos permanentes começam a nascer e seguem nessa fase até cerca de 1 ano e meio a 2 anos de idade. Durante este tempo, o cérebro dele ainda é imaturo, está mudando, se desenvolvendo e esse período pode ser um pouco desafiador para vocês dois. Também é nessa fase quando o relacionamento de vocês dois ficará mais balançado.

Um cão adolescente normalmente é mais turbulento, morde mais, pula mais e é mais teimoso do que em qualquer fase da vida. Muitas vezes ele te ignora quando está a fim disso.

Por causa disso, não é nenhuma surpresa a quantidade de animais abandonados e sendo doados nesta fase da vida: donos não sabem como controlar o comportamento deles.




O QUE POSSO FAZER?

Se vou passar por tudo isso, para que ter um filhote então? Assim como existe no mundo materno, também há no mundo canino a máxima: "vai passar". Essa fase vai passar. E você, acredite ou não, sentirá saudades dela, como eu sinto.

Pense no laço emocional que você construirá com seu cão: isso não tem preço. Como um bom tutor, você conseguirá modelar o comportamento de seu cão, tornando-o confiante, seguro e feliz como membro da família: um companheiro que passará de 10 a 15 anos ao seu lado.

Mas, vamos às dicas do que pode ser feito para que a transição entre a infância e a fase adulta seja mais suave:

1. Paciência: seja muito paciente. Não é uma fase da qual se possa esperar resultados rápidos! Lembre-se de respirar e saber que seu cão está passando por mudanças na vida dele e precisa de você para guiá-lo.

2. Educação canina: continue com a educação de seu cão! Todos aqueles comandos básicos aprendidos quando filhote (senta, deita, fica, vem, truques etc), siga fazendo-os e aprimorando-os! Pratique-os em vários locais, para acostumá-lo a lhe escutar onde quer que vocês estejam. Tente ensinar um comando ou um truque novo por semana, sempre de maneira divertida.

3. Brinque: brinque com ele. A brincadeira é uma ferramente ótima, mas que é deixada de lado tanto no adestramento quando no relacionamento homem-cão. Os cães respondem melhor em treinos de obediência depois de brincar com seus donos.

4. Exercícios: os cães adolescentes têm muita energia. Mesmo. Proporcione a ele exercícios adequados e durante um bom tempo. Acredite, sua vida ficará mais fácil assim. Deixe a preguiça de lado e exercite-o: será bom para você também.

5. Dieta apropriada: Nada de oferecer um alimento de qualidade ruim ou moderada. Se for oferecer ração, que seja uma super premium, de preferência sem grãos ou, se ela contiver grãos, que sejam de fontes não-transgênicas. Se ele comer uma alimentação biologicamente apropriada, melhor ainda!

6. Pensamento positivo e otimista: foque em todos os comportamentos positivos que seu filhote já aprendeu e prossiga com eles, progredindo sempre. Divirta-se quando estiver com seu cão. Lembre-se de que a melhor maneira de manter seu cão focado (e o nível de atenção dele agora é muito curto!) em você é você ser divertido e excitante para ele. Isso é especialmente importante durante a adolescência canina.


O FUTURO DE SEU CÃO DEPENDE DE VOCÊ

Quando decidimos trazer um filhote para casa, somos responsáveis pela vida e futuro dele. Esse filhote lindinho conta conosco para educá-lo e transformá-lo em um ótimo cão de família.

Se trabalharmos com este cão ainda filhote, a adolescência não será tão traumática. Se, durante os primeiros 18 meses de vida dele, continuarmos a brincar, a sermos proativos no nosso papel de educá-lo, seremos capazes de curtir este cão, e o que ele se tornou, por muitos anos. Se escolhermos trabalhar com ele apenas de vez em quando e não ensiná-lo as habilidades que ele precisa para viver no mundo humano, é mais provável que ele seja mais um dos milhares de animais que acabam abandonados todos os anos.

Trabalhe com seu cão: eduque-o, brinque com ele e exercite-o diariamente; socialize-o propriamente. Este é o caminho certo para um cão que se tornará um valioso membro da família. Peça ajuda de um educador canino competente, que não faça uso de punições, para ajudá-lo nesta fase, motivando-o e orientando-o na construção deste cão bacana.

Mas também esteja preparado para altos e baixos. Ser paciente e ter senso de humor são coisas importantes. Se você for assim, criar um filhote será uma benção.




Receba nossos posts por e-mail:

Delivered by FeedBurner

siga-nos: