quarta-feira, 20 de junho de 2018

Por que os cães europeus são tão educados?

Texto traduzido de Kama Brown, publicado na revista The Bark, 88ª edição, 2016.


Um frenchie relaxado, em um bistrô de Paris. 
O seu buldoguinho se manteria comportado assim? 


Recentemente, visitei amigos americanos no Reino Unido que se mudaram de Dallas para Kensington South, em Londres. Desde a mudança, eles adotaram um gato e estavam pensando em comprar um cãozinho filhote. No entanto, depois de analisar suas experiências anteriores com os cachorros, eles perceberam que os cães que criaram não tinham se comportado tão bem quanto os cães que viram em sua nova cidade.

Enquanto conversávamos sobre bebidas, eles perguntaram minha opinião de treinador de cães: por que os cães em Londres se comportaram melhor do que os cães dos EUA? O que os donos de cães em Londres estavam fazendo de maneira diferente?

Eu disse a eles que faria questão de observar cães enquanto viajávamos pela Inglaterra, Bélgica e França, e reportaria a eles a minha opinião. A seguir estão minhas observações.

> Cães no Reino Unido e nos países que visitamos eram permitidos em quase todos os lugares. Nós os vimos em padarias na Bélgica, dentro de lojas de brinquedos francesas, no museu de Stonehenge, em mercados, em elevadores, no bonde, no trem.

> Era comum ver cães sem coleira, exceto em áreas onde havia aves aquáticas.

> As crianças foram desencorajadas de interagir com cães estranhos. Por inúmeras vezes, ouvi os pais dizerem aos filhos: "Não os distraia, querido".

> Os tutores não treinavam “comando de obediência” com seus cães. Eu nunca os vi pedir ao seu cachorro para esperar antes de passar por uma porta, para sentar ao ganhar um carinho, para ficar quieto em um trem ou deitar-se debaixo de uma mesa de restaurante. Os cachorros costumavam fazer essas coisas, mas não eram solicitados a fazê-las.

> Filhotes, na Europa, faziam as mesmas coisas que filhotes, nos Estados Unidos. Um labrador preto de nove meses pulou em um balcão para farejar a seleção de queijos no mercado. Um cachorrinho sem raça definida, de pequeno porte, parou para farejar cada ponto interessante. Quando um jovem buldogue resistiu a descer as escadas para o subterrâneo do metrô, o tutor persuadiu-o a cada novo passo. Um homem com um cachorrinho muito jovem andou rapidamente para impedir que o filhote pegasse objetos que encontrasse pelo caminho. Nada do que vi me fez pensar que os cães europeus nasceram bem comportados.

> O público em geral ignorou os cães. Eu nunca vi ninguém pedir para acariciar ou dar guloseimas ao cachorro de um estranho. Quando me aproximei, para perguntar sobre a idade e raça de um cachorro, a resposta foi breve. Se eu desse um elogio, a resposta era muitas vezes “Oh, isso é muito gentil”. Essa não-interação incluía outros cães também. Cães se viam ou ficavam perto um do outro, mas não tinham permissão para farejar ou brincar.

Ao examinar minhas anotações, não pude deixar de notar que a maneira como os cães são tratados na Europa é muito semelhante à maneira como tratamos (ou nos esforçamos para tratar) cães de serviço (cães guia, cães policiais, etc.) nos EUA.

Desde cedo, o ambiente criado para cães de serviço é feito para mantê-los calmos e confortáveis, o que os mantém tranquilos também. Cães de serviço jovens em treinamento são percorridos por multidões de pessoas que os ignoram. As crianças são ensinadas a não distraí-los. Os cães não conseguem farejar nem brincar enquanto estão trabalhando. Nós tratamos os cães de serviço dessa maneira porque entendemos que interagir com eles dificulta o treinamento do seu manipulador.

Como treinador de cães, entendo que ignorar os cães é o “segredo do sucesso” para que eles possam frequentar ambientes humanos, sem incomodar ninguém. Quando estranhos costumam oferecer guloseimas, atenção ou quando permitem que seus cães corram para junto de outro cachorro, o cão aprende a reagir todas as vezes que uma nova pessoa ou um cão dele. Às vezes, essa emoção é prazer, mas, com mais frequência, manifesta-se ansiedade, excesso de exuberância ou comportamento defensivo.

Não há necessidade de pedir a um cão que se sente se ninguém estiver se aproximando. Tampouco há uma razão para um cachorro puxar para estranhos que normalmente o ignoraram. Se ser levado a novos lugares fosse uma ocorrência regular, não excitaria um cão a passar pelas portas. Se latir e puxar foram consistentemente ignorados em cães jovens, esses comportamentos nunca poderiam se tornar um jogo ou uma maneira de chamar a atenção.

Ao contrário das restrições impostas aos proprietários de cães americanos, os europeus podem expor consistentemente seus cães a novos sons, imagens e cheiros, que enriquecem mentalmente os cães sem superestimá-los.

Se um cão não receber reforços de estranhos, o tutor nunca terá que acalmar o seu cachorro excitado ou manejar um cão com medo. Dessa forma, o ambiente dá liberdade aos cães para se concentrar em seus tutores, porque nada de interessante está vindo de outra fonte. As pessoas têm a liberdade de trabalhar ou relaxar com seus cães em uma variedade de ambientes sem precisar se proteger de uma pessoa ou cachorro estranho - e seus cães ganham a confiança de saber exatamente o que esperar.

Então, na volta da minha viagem, eu disse aos meus amigos que eles não teriam dificuldade alguma em educar o filhotinho, para que ele se comportasse como um cão europeu. Os londrinos fariam 75% do trabalho para eles, ignorando o cachorro, impedindo os filhos de interagir com ele, permitindo-lhe acesso a uma ampla gama de oportunidades de socialização e mantendo seus próprios cães sob controle. Meus amigos precisariam apenas criar um vínculo forte com o filhote e ensinar-lhe a educação básica, pois não são os tutores que estão submetendo seus cães a um rígido treinamento, são as outras pessoas que simplesmente respeitam o espaço alheio.




Leia também: