quarta-feira, 21 de novembro de 2018

Dicas para ter um cão perfeito?

Texto MARAVILHOSO traduzido de The American College of Veterinary Behaviorists -  uma organização de veterinários que tiveram anos de treinamento, educação e certificação em comportamento animal. Para ler o texto original, clique aqui.


Seu cão é perfeito? Não?
O meu também não é. Então, por que tantas expectativas?


Tenho de começar esta discussão fazendo uma declaração: acho que aumentamos o nível de expectativas em relação aos cães. Não só um pouquinho, mas muito. Espera-se agora que os cães sejam uma extensão social de seus donos, não "apenas um cachorro". Na minha parte do país, os cães devem alegremente acompanhar seus donos às vinícolas, passear comportadamente sem guia, brincar educadamemente com os cães do parque, aceitar abraços e beijos de completos estranhos, como se fossem um pop star. Tudo isso enquanto as pessoas assumem jornadas de trabalho e deslocamentos progressivamente mais longas, deixando seus cães sozinhos e entediados por 10 a 12 horas seguidas. O que poderia dar errado com esse cenário? Honestamente, muitas coisas! Eu não tenho certeza de como chegamos a este descompasso entre expectativas e realidade, mas é um descompasso que causa muitos problemas para meus clientes e para os seus cães.

Vamos começar com algo simples, como os exercícios. Quanto, de atividade física, é razoável para o um cachorro? Meus clientes preenchem um extenso questionário antes de nos encontrarmos. Ao rever todas essas formas, posso dizer-lhe que o dono médio leva seu cachorro em uma caminhada de 20 minutos, duas vezes por dia. É isso aí. Sem tempo de brincadeiras adicionais, sem nenhum exercício de autocontrole e de foco, nada. Embora não saibamos o que é “ideal” para os cães, uma suposição razoável seria que atendêssemos às recomendações médicas atuais, que é o mínimo de uma hora de exercício por dia. Existem algumas raças de cães, particularmente aquelas desenvolvidas para trabalhar ao nosso lado, que exigem muito, muito mais do que isso.

Como exemplo, para manter a sanidade de todos, determinei que meu jovem border collie precisava de quatro horas de interação por dia, dos dois aos nove meses de idade. Muitas pessoas não levam isso em conta e precisam arcar com os consequências. Elas se queixam de seu cão ser destrutivo ou hiperativo...  Quando levanto a incompatibilidade entre o que o cão precisa e o que eles podem oferecer, os donos dizem que eles cuidaram desse problema com um dog walker ou creches cachorrinho ou saídas de fim de semana, e novamente, é aí que surgem mais desajustes. Há suposições embutidas nessas declarações: que o cachorro realmente gosta de creches para cachorros; que ele permitirá que alguém que não seja seu povo o manuseie; que a caminhada que ele recebe é na verdade mais do que um intervalo de xixi; e assim por diante. Você pode ver onde estou querendo chegar com isso, certo?

Nosso estilo de vida exige demais dos cães. Andar pela rua, por exemplo, é um desafio: 
  • Lixo na calçada (“Não! Não coma isso!”), 
  • Veículos de emergência com sirenes altas (“Não se assuste!”), 
  • Pessoas estranhas dando abraços nos nossos cães (“Venham dizer olá, eles te amam!”), 
  • Diferentes situações para negociar (“Deixe de ser bobo, é só uma criança inofensiva!”), 
  • Cães andando soltos na rua ou se comportando (“Meu cachorro pode dar OI para o seu? Ele está apenas sendo amigável!”). 

Isso te parece familiar?

Você sabia que leva-se quase um ano e meio para desenvolver e treinar um cão de serviço para lidar bem com  todos os itens descritos acima? Repare que eu disse treinar, através de um programa formal com supervisão de especialistas, objetivos específicos e identificados e manipuladores experientes usando cães geneticamente selecionados para serem proficientes em lidar com todos os estressores acima. No entanto, esperamos que os nossos próprios cães de companhia prosperem de alguma forma sem qualquer esforço real da nossa parte. Eu não acho que isso seja muito justo para os adoráveis ​​animais que compartilham nossas casas e nossas vidas. Tantos problemas poderiam ser evitados se nós simplesmente reconhecêssemos nossa devida diligência e estivéssemos um pouco mais conscientes sobre dar aos nossos amigos peludos um bom começo, com apoio contínuo.

Quando possível, esse processo deve ser iniciado no início da vida do cão. O período sensível para socialização em filhotes é entre 4-14 semanas de idade. Esse é o período de tempo em que eles se tornam-se familiares e à vontade com o meio ambiente: pessoas, lugares e coisas com os quais terão que lidar no dia-a-dia. 

Uma vez que essa janela se "fechou", você não está mais “socializando” seu cão, mas está habituando-os a diferentes situações e estímulos ou, se ele for medroso, dessensibilizando-os e usando o contra-condicionamento para ajudá-los a mudar o que sente sobre aquilo que o assusta. Isso pode consumir muito tempo, requer paciência e empatia. Quanto mais complexo o ambiente (ambiente urbano vem à mente), mais complexo e complicado é o processo. Em alguns casos de grande medo, os problemas e necessidades especiais exigem gerenciamento para o resto da vida do cão.

Pronto para fazer mais? Eduque-se sobre a linguagem corporal do cão: qual é a sensação do seu cão e o que ele está tentando lhe dizer? Recomendo fortemente que os tutores conheçam a forma de seus cães expressarem o que sentem.

Honre os sentimentos e necessidades do seu cão. Pare de forçar interações. Seja seu defensor e evite situações em que seu cão mostre sinais de preocupação ou aflição.

Trabalhe no fornecimento dos itens essenciais: uma dieta balanceada, exercícios adequados e adequados, um local tranquilo para descansar e sentir-se seguro, com cuidados de saúde adequados e com o atendimento individual diário.

Informe-se. 

Treine seu cão. Sim, ele precisa aprender habilidades, para florescer no ambiente onde vive: sentar, descer, andar na coleira, andar de carro, bem como estar à vontade com o manuseio e em um ambiente veterinário são essenciais. Se parece um pouco demais para gerenciar, procure ajuda.

Procure um profissional que use técnicas de treinamento de reforço positivo e evite a modelagem comportamental através do uso de punição ou ferramentas aversivas. Métodos baseados em reforço positivo são cientificamente provados para fornecer os melhores resultados, criando um forte vínculo entre você e seu cão.

Pareço pouco exagerada? Sim, pode ser. Mas, você assumiu a responsabilidade de cuidar e orientar a vida de um membro de sua família - o que também pode ser divertido e uma fonte de grande alegria , quando você ajuda a criar e apoiar um relacionamento mútuo baseado na confiança e no respeito.

Espero ver você por aí! ♥


Créditos: https://www.123rf.com/photo_78496663_funny-dog-made-a-mess-in-the-room-playful-puppy-french-bulldog.html